Teclado nativo (dvorak brasileiro)

Trade de Bitcoin?

Simples! Comece Agora!

Acesse SimpleFX

Se não tiver paciência pra ler no site, eu vou resumir a história:

Antes de mais nada, você tem que saber que o teclado padrão QWERTY (que provavelmente é o que você está usando agora) foi desenvolvido na época das antigas máquinas de escrever, e foi feito para ser o PIOR POSSÍVEL.

Por que isso? Porque se as pessoas digitassem rápido demais as máquinas acabavam travando frequentemente. Para resolver isso, calcularam o pior jeito possível para escrever, e implementaram nos teclados, dessa forma, fazendo com que a digitação fosse feita devagar, com apenas dois dedos. Ainda assim haviam pessoas que conseguiam digitar bem rápido nessas antigas máquinas…

Conforme os comptuadores foram evoluindo, os teclados adotados para eles permaneceram com a mesma configuração geral.

Porém um bom sujeito chamado Dvorak criou um teclado pensando na MELHOR forma para digitar, separando vogais e pontuação à esquerda (mas isso para os americanos). Então, recentemente, foi criado o teclado Nativo, para o português do Brasil.

Sabia que o Autor deste Post Ganha Dinheiro até Hoje por te-lo Escrito?
Ganhe Dinheiro Escrevendo Artigos

Já tenho uma velocidade de aproximadamente 80 palavras por minuto com o teclado QWERTY, e resolvi experimentar o nativo. Testei durante alguns meses (uns 4), e eis o que percebi:

Realmente há uma diferença notável no quanto as mãos “viajam” pelo teclado, pois as letras mais utilizadas ficam na fileira-base (do meio), portanto não é necessário ficar subindo e descendo as mãos pelo teclado. Isso pelo menos teoricamente deveria reduzir a tensão nas mãos, e também fazer a digitação ficar mais rápida (já que as mãos passam a percorrer uma distância menor para realizar um mesmo trabalho)…

PORÉM os problemas acabaram sendo maiores que as soluções: senti MUITO MAIS dor nas mãos (principalmente a esquerda, que fica 90% do tempo imóvel), justamente por elas ficarem mais paradas, fazendo mais frequentemente APENAS os movimentos curtos de sobe-e-desce dos dedos para pressionar as teclas! Com o QWERTY as mãos e braços se movimentam mais, e também ABREM E FECHAM o tempo todo, o que causa um certo ALONGAMENTO dos músculos.

Mas o pior não foi isso: os comandos mais usados no teclado ficaram espalhados pra todo lado! Ctrl+C, Ctrl+V, Ctrl+X, Ctrl+Z, Ctrl+S, Ctrl+A, Ctrl+T e Ctrl+B ficaram cada um pra um lado, sendo que antes podiam ser feitos facilmente com a mão esquerda, todos próximos uns dos outros e de forma bem lógica.

Abandonei o uso do Nativo por conta disso.

Talvez você goste disso também:

3 Comentários para: “Teclado nativo (dvorak brasileiro)

  1. Assim como eu estou pesquisando na Rede Mundial, o mais adequado é procurar se há pronunciamento do Governo Brasileiro, ou de grandes entidades de saúde do trabalho, sobre qual o teclado mais adequado.

    O teclado já é peça elementar das nossas novas formas de trabalho. Já era tempo de pelo menos haver um pronunciamento dessas autoridades médicas fácil de ser localizado.

    Adianto que não ando satisfeito com o QWERTY. É que, para o nosso português, o predomínio do esforço da mão esquerda é gritante.

  2. Também tentei o Dvorak Brasilnativo e senti o mesmo problema. Como sou taquígrafo, e aprendi os métodos Samuel Taylor e Centren, bastante diferentes entre si, adotei uma técnica particular: programei a autocorreção, tanto no Word quanto no BrOffice, colocando nelas os valores da taquigrafia Taylor, vinculados a um texto-base (“Taquitay”), e o método Centre a outro (“Taquicen”). “Bato” muito bem com os dois métodos (em média, 140 pal/min), mas há um problema básico: Quando estou usando um computador diferente, costumo ficar mais lento do que antes, pois, acostumado aos métodos mais rápidos, tenho que parar muitas vezes, quando estou em computadores que não são o meu, (e não têm as mesmas programações de autocorreção) o que, no final, resulta em uma digitação mais lenta que a normal.

    • Sim, e ainda tem esse problema: se você tiver que usar outro computador, dificilmente o mesmo estará configurado como Nativo (e dependendo do caso pode ser complicado configurar).

      Agora uma outra coisa que achei ainda mais estranho é que agora passei a usar um teclado americano (mesmo, sem tecla “ç” – CMSTORM QUICKFIRE CherryMX Blue) e é MUITO MELHOR que o ABNT (e infinitamente mais que o Nativo), sem contar o pequeno grande detalhe de que as teclas são de chaves mecânicas (as deliciosas CherryMX Blue), o que fez minha velocidade e precisão dispararem (estou chegando a 120 ppm com 100% de precisão) e agora posso digitar o dia inteiro sem me cansar!

      A menor quantidade de teclas acaba sendo outra vantagem. Um exagero disso seria o teclado FrogKeyboard, que é para uma mão só.

      Esse QUICKFIRE custa uns R$500,00 aqui, e U$75,00 nos EUA… Parece que no Brasil só temos “o resto do lixo antigo” do que os outros países têm… E pior que ouvi dizer em algum lugar que estavam planejando um novo ABNT, que teria teclas separadas para TODAS as acentuações possíveis!

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Solve : *
21 − 1 =


Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>