Retrato de uma reunião entre alguns artistas plásticos moradores de Lençóis que é uma das cidades mais bonitas da Chapada Diamantina-BA

Trade de Bitcoin?

Simples! Comece Agora!

Acesse SimpleFX

Em uma ocasião de oportunidade de encontros foi realizado um encontro entre alguns dos artistas mais interessantes da contemporaneidade da cidade de Lençóis. Primeiro foi apresentado um breve contexto da história do turismo e das artes plásticas do local.
A cidade de Lençóis – BA foi tombada em 1973pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) como Patrimônio Histórico Nacional a cidade passou a ser explorada turisticamente e as suas características relacionadas à arquitetura colonial se destacam em meio a praticas de turismo. Não Obstante, a parte que toca as manifestações artísticas e principalmente plásticas, está sofrendo pouco incentivo, não se observa um acompanhamento desta área junto ao do turismo em si.
Uma das artistas plásticas relata no município não existe um local destinado para a manifestação que está correlacionada as artes plásticas e ao artesanato cuja prática contribui em muito com o papel de promoção do turismo local e, no entanto, ficam sem um infraestrutura adequada para a realização de exposição.
A cidade de Lençóis possui um espaço excelente para se trabalhar a questão de exposições, esta problemática foi a mais discutida nesta reunião, na verdade esta reunião aconteceu neste espaço. A partir dela os artistas realizaram um levantamento dos artistas que moram e àqueles que já moraram no local.
Foi citado que em meados de 1850 já havia artistas no local. Em meados das décadas de 70 a 80 o fluxo turístico aumentou e muitas pessoas saiam da capital para se instalarem no interior, devido às manifestações do movimento Hippie, nessa época vieram artistas de diversas partes do mundo que conheceram o município e ai continuaram a desenvolve seus trabalhos.
Todo o grupo que esteve reunido neste encontro de artistas já realizou exposições, tanto no local da reunião como em lugares públicos. Apresentam-se os artistas; Remi (escultor de ferro), Alberto (fotógrafo), Sol (instalações e objetos) e Cesare (pintor), esses já haviam realizado exposições na Casa do Patrimônio e alguns como Cesare e Alberto tinham realizado exposição em espaços de alguns hotéis da cidade.
Outros artistas também foram citados, que fizeram exposição na Casa do Patrimônio: o Marco Ferreira (escultor), Judit (ceramista), Maria José (pintora), Sheila Santos (pintora), Ana Barros (pintora), Denise (fotografa) e diverso de outros artistas vindos de várias nacionalidade e desenvolvendo técnicas diferentes como pinturas: aquarela, guache, carvão, óleo, acrílica, esculturas de metal, madeira, ferro, fotografias, de paisagens, pessoas, arquitetura artística, e agora como os trabalhos de linguagem contemporâneas com instalações fotográficas, de objetos proposto por Sol Pacheco.
Sendo assim, a reunião foi finalizada com a proposição de um projeto que estaria vinculado a um espaço que agregue jovens, cursos artísticos acessíveis a população em geral, incentivando a arte-educação, incentivo a reciclagem e a consciência ambiental, utilizando diferentes linguagens das artes plásticas indo desde técnicas mais formais as técnicas contemporâneas. Ainda, ficou como um ponto grave a falta de atenção daqueles que detêm o turismo. A reunião possui um movimento mais pacifico as autoridades não participaram, porém foram criticadas e espera-se que melhorem os seus desempenhos perante o apoio a arte local.

Em uma ocasião de oportunidade de encontros foi realizado um encontro entre alguns dos artistas mais interessantes da contemporaneidade da cidade de Lençóis. Primeiro foi apresentado um breve contexto da história do turismo e das artes plásticas do local.
A cidade de Lençóis – BA foi tombada em 1973pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) como Patrimônio Histórico Nacional a cidade passou a ser explorada turisticamente e as suas características relacionadas à arquitetura colonial se destacam em meio a praticas de turismo. Não Obstante, a parte que toca as manifestações artísticas e principalmente plásticas, está sofrendo pouco incentivo, não se observa um acompanhamento desta área junto ao do turismo em si.
Uma das artistas plásticas relata no município não existe um local destinado para a manifestação que está correlacionada as artes plásticas e ao artesanato cuja prática contribui em muito com o papel de promoção do turismo local e, no entanto, ficam sem um infraestrutura adequada para a realização de exposição.
A cidade de Lençóis possui um espaço excelente para se trabalhar a questão de exposições, esta problemática foi a mais discutida nesta reunião, na verdade esta reunião aconteceu neste espaço. A partir dela os artistas realizaram um levantamento dos artistas que moram e àqueles que já moraram no local.
Foi citado que em meados de 1850 já havia artistas no local. Em meados das décadas de 70 a 80 o fluxo turístico aumentou e muitas pessoas saiam da capital para se instalarem no interior, devido às manifestações do movimento Hippie, nessa época vieram artistas de diversas partes do mundo que conheceram o município e ai continuaram a desenvolve seus trabalhos.
Todo o grupo que esteve reunido neste encontro de artistas já realizou exposições, tanto no local da reunião como em lugares públicos. Apresentam-se os artistas; Remi (escultor de ferro), Alberto (fotógrafo), Sol (instalações e objetos) e Cesare (pintor), esses já haviam realizado exposições na Casa do Patrimônio e alguns como Cesare e Alberto tinham realizado exposição em espaços de alguns hotéis da cidade.
Outros artistas também foram citados, que fizeram exposição na Casa do Patrimônio: o Marco Ferreira (escultor), Judit (ceramista), Maria José (pintora), Sheila Santos (pintora), Ana Barros (pintora), Denise (fotografa) e diverso de outros artistas vindos de várias nacionalidade e desenvolvendo técnicas diferentes como pinturas: aquarela, guache, carvão, óleo, acrílica, esculturas de metal, madeira, ferro, fotografias, de paisagens, pessoas, arquitetura artística, e agora como os trabalhos de linguagem contemporâneas com instalações fotográficas, de objetos proposto por Sol Pacheco.
Sendo assim, a reunião foi finalizada com a proposição de um projeto que estaria vinculado a um espaço que agregue jovens, cursos artísticos acessíveis a população em geral, incentivando a arte-educação, incentivo a reciclagem e a consciência ambiental, utilizando diferentes linguagens das artes plásticas indo desde técnicas mais formais as técnicas contemporâneas. Ainda, ficou como um ponto grave a falta de atenção daqueles que detêm o turismo. A reunião possui um movimento mais pacifico as autoridades não participaram, porém foram criticadas e espera-se que melhorem os seus desempenhos perante o apoio a arte local.

Talvez você goste disso também:

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Solve : *
10 ⁄ 5 =


Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>