Ganhe R$80 por Dia. SEM INDICAR NEM VENDER


Historia da hipnose parte 2. Do Mesmerismo à sugestão.

Precisando de Dinheiro?

Ganhe até $80 por Dia
Sem Indicar Nem Vender
Forneça seus Dados para Começar

Dizem que o próprio Mesmer assistiu varias demonstrações do padre Gassner. Franz Anton Mesmer (1734-1815) acreditava que a transmissão de ondas magnéticas poderia curar doenças já que as doenças eram causadas por sugestões do próprio organismo. Segundo Mesmer da mesma forma que a lua poderia influir sobre a terra e o mar também poderia influir nos fluidos do corpo humano e assim restabelecer a saúde. Foi em 1775 que Mesmer divulgou a sociedade cientifica sobre suas descoberta a respeito do magnetismo animal por meio do qual um homem poderia influenciar outro homem.

Mesmer foi bastante criticado e desacreditado, em 1784 uma comissão julgadora formada pelos mais renomados cientistas da época concluirão que os resultados obtidos por Mesmer eram conseqüências da imaginação e que o magnetismo humano não existia.

Mesmo com descrédito da sociedade medica e cientifica os métodos de Mesmer continuaram a ser empregados e desenvolvidos por seus seguidores como o Marques de Puységur e o Clérigo Faria.

Armand Marie Jacques de Chastenet, popularmente conhecido como Marques de Puységur (1751-1825), oficial da artilharia, acreditava que somente com o uso da palavra já era o suficiente para o magnetismo. Em 1784 ao tratar de um jovem de 23 anos por nome Victor Race pode fazer algumas importantes descoberta. Ele pode notar que o jovem não apresentava convulsões como normalmente acontecia com os pacientes de Mesmer, ao invés disso o paciente dormia tranquilamente, e que durante este sono podia falar, executar ordens e ao acordar não se recordava do que tinha acontecido. O Marques de Puységur denominou este estado como sonambulismo artificial.

O português, José Custódio de Faria (1756-1819), mais conhecido como Abade Faria ou Clérigo Faria, acreditava que o processo de cura era o resultado de uma receptividade entre o sujeito e o operador, foi o primeiro a mostrar a importância do rapport. Para ele era a vontade do paciente quem o conduzia a o que ele chamava de “sono lúcido”, acreditava que não existia um “fluido” como acreditavam os mesmeristas. Contudo esta hipótese de Faria foi descartada porque o mesmerismo era muito popular e aceito.

Sabia que o Autor deste Post Ganha Dinheiro até Hoje por te-lo Escrito?
Ganhe Dinheiro Escrevendo Artigos

Muitos médicos criticavam os métodos usados pelos mesmeristas chegando até mesmo a contratar atores em espetáculos públicos que se fingiam estar magnetizados, então abrindo os olhos gritavam que era tudo uma farsa.

 

Veja os outros artigos da serie “A historia da hipnose”.  São cinco partes, CLICK AQUI

 

Talvez você goste disso também:

DOBRE SEU INVESTIMENTO em 90 DIAS

Não precisa indicar ninguém para dobrar seu investimento em 90 dias.

Basta Acessar oTudo.com/GC e Cadastrar-se.



Sobre: Célio Augusto

Curso analise e desenvolvimento de sistema. Trabalho com programação em PHP. Já me interessei por psicoterapia e estudei hipnoterapia e PNL. Gosto de escrever sobre tecnologia, auto-ajuda, saúde, bem estar e desenvolvimento pessoal.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Solve : *
8 × 23 =


Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>