ESTAÇÃO DIGITAL O ACESSO À INFORMAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO E PARA A PARTICIPAÇÃO EM SOCIEDADE

Trade de Bitcoin?

Simples! Comece Agora!

Acesse SimpleFX

UNIVERSIDADE AUTÓNOMA DE ASUNCIÓN

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANISTICAS E DA COMUNICACÃO

MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCACÃO

DISCIPLINA: TECNOLOGIA APLICADA A EDUCAÇÃO

 

Sabia que o Autor deste Post Ganha Dinheiro até Hoje por te-lo Escrito?
Ganhe Dinheiro Escrevendo Artigos

 

TITULO DO PROJETO: “ESTAÇÃO DIGITAL O ACESSO À INFORMAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO E PARA A PARTICIPAÇÃO EM SOCIEDADE. ”

 

 

 

TUTORAS: Profª. Titular Lic. Susana López

Profª. Praticas: Lic. Carlota Lopez

 

 

 

 

Benigno Núñez Novo

 

 

 

 

 

 

 

 

ASUNCIÓN, PARAGUAI

julho/2007

ESTAÇÃO DIGITAL O ACESSO À INFORMAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO E PARA A PARTICIPAÇÃO EM SOCIEDADE

Benigno Núñez Novo*

 

RESUMO

A evolução tecnológica é como uma bola de neve, isto é, cresce a cada dia, e a ausência desse conhecimento faz-nos distanciar gradativamente do mundo real. Os pais, alunos e profissionais da área acadêmica e outros profissionais pela educação de nossas crianças, vivem hoje uma grande preocupação: a necessidade de preparo técnico devido à presença marcante da tecnologia em nossas vidas seja nos shopping centers, nos bancos, nas residências e principalmente nas escolas. Imprescindível nos dias atuais o uso da informática no processo ensino-aprendizagem nas escolas e nas comunidades, não se concebe em pleno Século XXI que não possamos formar alunos sem os conhecimentos mínimos sobre as tecnologias da informática.

 

Palavras-chaves: Estação Digital. Acesso a Informação. Construção do Conhecimento.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

­­­­­­­­­­_________________

*Advogado, doutor em direito internacional, Universidad Autónoma de Asunción. E-mail: benignonovo@hotmail.com

1 INTRODUÇÃO

1.1 NOME DO PROJETO

 

“ESTAÇÃO DIGITAL O ACESSO À INFORMAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO E PARA A PARTICIPAÇÃO EM SOCIEDADE. ”

 

  1. OBJETIVOS

 

2.2. OBJETIVO GERAL

 

Utilizar adequadamente a Estação Digital de Bom Jesus para melhorar a qualidade do ensino-aprendizagem dos alunos da Rede Municipal de ensino da cidade de Bom Jesus, Estado do Piauí.

 

2.3. OBJETIVOS ESPECÍFICOS

 

  • Estimular a navegação e pesquisa na internet para o acesso ao conhecimento e satisfazer aos alunos da rede municipal de ensino que freqüentam a Estação Digital de Bom Jesus.
  • Ampliar a carga horária da Estação Digital para que mais alunos possam ter acesso e freqüentem a Estação.
  • Implantar comunidades virtuais, listas e chats para uma maior interação entre os alunos da Estação Digital de Bom Jesus e demais Estações Digitais do Brasil.
  • Avaliar de que forma a Estação Digital tem contribuído para facilitar a vida escolar dos alunos que a frequentam.

 

 

 

  1. JUSTIFICATIVA

 

Com a consolidação da internet e da informática como uma das principais vias de comunicação mundial, conhecer essas tecnologias deixou de ser opção e tornou-se uma necessidade. Por acreditar que o acesso à informação é fundamental para a construção do conhecimento, para a participação em sociedade e para a ampliação de oportunidades de trabalho.

A evolução tecnológica é como uma bola de neve, isto é, cresce a cada dia, e a ausência desse conhecimento faz-nos distanciar gradativamente do mundo real. Os pais, alunos e profissionais da área acadêmica e outros profissionais pela educação de nossas crianças, vivem hoje uma grande preocupação: a necessidade de preparo técnico devido a presença marcante da tecnologia em nossas vidas seja nos shopping centers, nos bancos, nas residências e principalmente nas escolas.

 

 

  1. APRESENTAÇÃO DO PROBLEMA

 

De que maneira o uso da tecnologia da informática influência o processo ensino-aprendizagem dos alunos da Rede Municipal de ensino da cidade de Bom Jesus?

Bom Jesus é um município brasileiro do estado do Piauí, Sua população estimada em 2007 é de 18.514 habitantes segundo o recente censo do IBGE. A cidade de Bom Jesus tem passado por um período de rápido crescimento populacional e econômico em função da expansão na área agrícola. Na década de 1990, produtores de soja do Rio Grande do Sul começaram a chegar e a cultivar soja no cerrado do Piauí, principalmente em Bom Jesus e Uruçuí. Hoje, aproximadamente 220 mil hectares são cultivados com soja, arroz e algodão nessa região, considerada a última fronteira agrícola do Brasil. Localizada na região do Vale do Rio Gurguéia, a cidade é muito rica em água subterrânea. Os poços jorrantes (a água sai sem precisar de bombeamento) são abundantes.

No ano de 2005 através de um convênio firmado entre a Associação dos Filhos e Amigos de Bom Jesus e a Fundação Banco do Brasil foi possível adquirir uma Estação Digital para a cidade de Bom Jesus com objetivo de levar o acesso a informática e a internet como umas das principais vias de comunicação mundial para a comunidade e aos alunos da rede municipal de ensino por entendermos que essas tecnologias deixaram de ser opção e tornaram-se uma necessidade. Por acreditar que o acesso à informação é fundamental para a construção do conhecimento, para a participação em sociedade e para a ampliação de oportunidades de trabalho.

Os equipamentos e toda a estrutura, inclusive o treinamento dos monitores e coordenador foram todos custeados pela Fundação Banco do Brasil.

A função da educação escolar (…) está explicitada nas propostas de universalização da escola e no objetivo de realizar a preparação dos indivíduos para a vida social, através do desenvolvimento de algumas competências exigidas na sociedade moderna. (RODRIGUES,1986, p. 58).

O ensino através da informática tem suas raízes no ensino através das máquinas. Esta idéia foi usada por Dr. Sidney Pressey em 1924 que inventou uma máquina para corrigir testes de múltipla escolha. Isso foi posteriormente elaborado por B.F. Skinner que no início de 1950, como professor de Harvard, propôs uma máquina para ensinar usando o conceito de instrução programada.

O computador pode ser usado também como ferramenta educacional. Segundo esta modalidade o computador não é mais o instrumento que ensina o aprendiz, mas a ferramenta com a qual o aluno desenvolve algo, e, portanto, o aprendizado ocorre pelo fato de estar executando uma tarefa por intermédio do computador. Estas tarefas podem ser a elaboração de textos, usando os processadores de texto; pesquisa de banco de dados já existentes ou criação de um novo banco de dados; resolução de problemas de diversos domínios do conhecimento e representação desta resolução segundo uma linguagem de programação; controle de processos em tempo real, como objetos que se movem no espaço ou experimentos de um laboratório de física ou química; produção de música; comunicação e uso de rede de computadores; e controle administrativo da classe e dos alunos.

Hoje o computador manipula diferentes formas de informação com a mesma facilidade: som, imagens, textos, gráficos informações numéricas e tornou-se, como os livros, jornais e televisão, um meio de comunicação. O paradigma da multimídia colocou disponível para a área educacional novos ambientes de aprendizagem e novas ferramentas que podem ser usadas tanto por autores profissionais quanto por estudantes. (MIDORO, 1993).

Vivemos numa época de ênfase na informação, tais como a presença das revistas, telejornais e internet, onde é preciso estarmos sempre informados. Mas é importante lembrar que informação não é conhecimento. O conhecimento envolve o estabelecimento de relações entre informações isoladas. Se pensarmos neste sentido, muito do que é chamado do conhecimento escolar é apenas informação, desconectada: conceitos vazios, para serem memorizados e esquecidos. A informação é descartável, justamente por não ter vínculos nem com outras informações, nem com conhecimento, mas, sobretudo, por não termos com ela vínculos emocionais, Guerra (2001).

Existem várias criticas em relação à utilização dos computadores na escola, principalmente nos níveis da pré-escola e ensino fundamental, segundo Seltzer (1994). Para o autor, as máquinas devem ser consideradas como mero instrumento para uma porção de atividades úteis, mas que estas últimas não englobam seu uso na educação de matérias que não sejam a computação propriamente dita, pelo menos até as últimas séries do segundo grau. O autor comenta que o ensino apresenta um cenário ruim causado não pelo fator tecnológico, mas sim pelo fato de existir um inter-relacionamento humano, onde, deveria ser dado maior importância à relação aluno-professor, ou seja, para que essa relação fosse sensivelmente mais humana.

Mas devemos simplesmente nos esquecer dos computadores na educação em pleno século vinte e um? Não, acreditamos que devemos sim participar deste avanço tecnológico com a sociedade em geral e também em estar utilizando essas tecnologias com as crianças. É claro que a utilização deste equipamento (computador) não deve, em hipótese alguma, ser utilizado como um fim em si mesmo, mas sim como uma ferramenta auxiliar no processo de ensino e aprendizagem, despertando desta maneira algum tipo de interesse maior na questão do conhecimento.

  • O ensino ministrado na Estação Digital de Bom Jesus é de boa qualidade?
  • A navegação e a pesquisa na internet realizadas na Estação de Digital de Bom Jesus atende satisfatoriamente aos alunos que a freqüentam?
  • A Estação Digital de Bom Jesus tem contribuído para facilitar a vida escolar dos alunos que a freqüentam?
  • O processo ensino-aprendizagem dos alunos da Rede Municipal de Ensino tem avançado com o uso da Estação Digital de Bom Jesus?

 

 

 

 

  1. CRONOGRAMA

 

PERÍODO
ATIVIDADES 2007
AGOSTO
Levantamento das fontes
Leitura da bibliografia
Preparação de fichas
Redação do texto
Discussão dos resultados
Revisão da pesquisa
Digitação e revisão da digitação
Apresentação
Entrega

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  1. ORÇAMENTO

 

Qtde Unid

medida

Custos diretos Valor unitário Valor total
01 pc Papel sulfite R$ 13,00 R$ 13,00
01 ct Tinta para impressora R$ 60,00 R$ 60,00
50 unid Fotocópias R$ 0,15 R$ 7,50
02 unid Cd virgem R$ 1,50 R$ 3,00
40 litros Óleo diesel R$ 1,80 R$ 72,00
01 unid Encadernação R$ 3,00 R$ 3,00
Gastos com correio R$ 12,80 R$ 12,80
Custos indiretos R$ 200,00 R$ 200,00
R$ 370,50

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  1. POSSIBILIDADES FUTURAS

 

A implantação de Estações Digitais propicia à inclusão digital dando acesso as tecnologias da informática as comunidades e aos alunos por acreditar que o acesso à informação é fundamental para a construção do conhecimento, para a participação em sociedade e para a ampliação de oportunidades de trabalho.

O Poder Público, as associações e demais entidades elaborando um projeto e demonstrando a necessidade podem ser contempladas com Estações Digitais para a comunidade.

O objetivo da Fundação Banco do Brasil é implantar essas estações nas comunidades que não têm acesso a essas tecnologias em parceria com entidades locais.

Uma única Estação Digital não atende as demandas e as necessidades de toda a comunidade bonjesuense.

A ampliação da carga horária, a contratação e o treinamento de mais monitores e coordenadores possibilitaria que mais alunos tivessem acesso a Estação Digital. A implantação destas Estações Digitais em comunidades sem acesso a essas tecnologias é de fundamental importância para que se tenha acesso à informática e a internet.

Em Bom Jesus diversas escolas municipais e comunidades da zona rural não dispõem de um único computador, se faz necessário que as associações e entidades elaborem projetos e enviem para a Fundação Banco do Brasil para que sejam contempladas com Estações Digitais que poderão ser implantadas nas escolas rurais e em algumas escolas da zona urbana que não possuam computadores e rede de internet.

Imprescindível nos dias atuais o uso da informática no processo ensino-aprendizagem nas escolas e nas comunidades, não se concebe em pleno Século XXI que não possamos formar alunos sem os conhecimentos mínimos sobre as tecnologias da informática.

REFERÊNCIAS

CHAVES, EDUARDO O. C.; SETZER, VALDEMAR. O uso de computadores em escolas: fundamentos e críticas. São Paulo: Scipione, 1988.

DODGE, BERNIS. WebQuests: a technique for Internet-based learning. The Distance Educator. San Diego, vol 1, n.2, p.10-13, Summer 1995.         [ Links ]

DEMO, PEDRO. Questões para teleducação. Petrópolis: Vozes, 1998.

FREIRE, PAULO. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

LASMAR, TEREZA JORGE. Usos educacionais da Internet: A contribuição das redes eletrônicas para o desenvolvimento de programas educacionais. Brasília, Faculdade de Educação, 1995. Dissertação de mestrado.         [ Links ]

LEITE, LÍGIA SILVA; SAMPAIO, MARISA NARCISO. Alfabetização tecnológica do professor. Rio de Janeiro: Vozes 2000.

LEITE, LÍGIA SILVAL (Coord.). Tecnologia educacional: descubra suas possibilidades na sala de aula. Rio de Janeiro: Vozes, 2003.

LÉVY, PIERRE. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Rio de Janeiro: Editora 34, 1998.

MORAES, MARIA CÂNDIDA. O paradigma educacional emergente. Campinas: Papirus, 2000.

ROCHA, A. R. C. & SANTOS, N. A Formação de Recursos Humanos em Informática na Educação. ANAIS II Encontro da Informática com a Educação, outrubro/1993. Faculdade Carioca, Rio de Janeiro, março/1994.

http://www.fbb.org.br/estacaodigital/action/publico/sobreOPrograma.fbb

Talvez você goste disso também:

Sobre: Benigno

Advogado, doutor em direito internacional pela Universidad Autónoma de Asunción, mestre em ciências da educação pela Universidad Autónoma de Asunción, especialista em educação: área de concentração: ensino pela Faculdade Piauiense e bacharel em direito pela Universidade Estadual da Paraíba. Perfil Lattes: http://lattes.cnpq.br/6452878036558472

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Solve : *
8 ⁄ 4 =


Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>