A Hora de o Moro Beber Água (e de o Lula Parar de Tomar Whiskão às Nossas Custas)

Após infinitos, arrastados e, muitas vezes, frustrantes rounds, a luta entre o Eliot Ness brasileiro Sérgio Moro e o Al Capone Nove-Dedos Lula parece estar chegando ao fim. E com vitória por nocaute, ao menos técnico, para o Paladino de Curitiba.
Em alegações finais, o Ministério Público Federal pediu ontem, 02/06, a condenação e prisão do sapo barbudo por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá. Junto com Lula irão para o xilindró também os companheiros Léo Pinheiro, Agenor Franklin Medeiros e Paulo Gordilho. O MPF só livrou a cara da Dona Marisa Letícia, que essa, agora, está sob a jurisdição do Capeta.
No mesmo pedido, o MPF quer que Moro determine a apreensão de R$ 87.624.971,26. O valor é correspondente ao montante de propinas que foram pagas nos contratos que a OAS firmou junto à Petrobras a agentes públicos, do qual o seboso de Caetés teria abiscoitado R$ 3 milhões para si.
Além da apreensão de 87 e tantos milhões, o MPF também pede que Lula pague uma multa de outros R$ 87 milhões. Tadinho do ex-retirante, tadinho do ex-operário tanto explorado pelo Grande Capital… Vai ter que vender parte do acervo de obras de arte, vinhos e outros “presentinhos” que recebeu enquanto Presidente e em que passou a mão e levou consigo ao deixar o Planalto. Lula é igual pobre em festa, é aquele que leva para casa um pedaço do bolo, um monte de salgadinhos embrulhados num guardanapo, rouba o arranjo da mesa e pega uma última latinha de cerveja pra ir bebendo pelo caminho. Os procuradores do MPF não caíram naquela conversa evasiva, dissimulada, canalha, filha da puta e pra boi dormir de Lula no depoimento prestado a Sérgio Moro. Não embarcaram naquele papinho de buteco com a qual Lula já venceu quatro eleições presidenciais, duas para si e duas para Dilma Rousseff. Estão pensando o quê? Que os procuradores do MPF são desdentados famintos, ou professores de história, sociologia, filosofia e outros que tais? Porra nenhuma.
Nas alegações finais entregues a Sérgio Moro, os procuradores pedem a condenação com base em provas indiciárias. Segundo os procuradores, as provas por indícios são aptas a lastrear a condenação em caso de crime de fácil presunção, porém de difícil prova pelo fato de os bandidos terem tomado cuidados e precauções prévios para que elas não existissem.
Afirmam que a dificuldade de produzir provas de que o apartamento pertence à família de Lula é fruto da profissionalização dos crimes de lavagem de dinheiro : “o ponto aqui é que disso tudo flui que os crimes perpetrados pelos investigados são de difícil prova. Isso não é apenas um “fruto do acaso”, mas sim da profissionalização de sua prática e de cuidados deliberadamente empregados pelos réus”.
O MPF baseia seu pedido em modernas técnicas de investigação e de coleta de provas, que admitem probabilidades, evidências e inferência para uma melhor explicação. Lembram que no apartamento de Lula foram apreendidos documentos referentes ao tríplex 164-A, alguns com adulteração; e que, no depoimento a Sérgio Moro, Lula admitiu dar a palavra final na nomeação dos diretores da Petrobras e que o modus operandi de manter o triplex registrado em nome da OAS Empreendimentos “serviu para ocultar a origem e dissimular a verdadeira propriedade do apartamento perante terceiros, uma vez que a unidade pertencia materialmente” a Lula e sua mulher, Marisa Letícia, já falecida, facilitando o repasse de valores ilícitos.
“Assim, o que se deve esperar no processo penal é que a prova gere uma convicção para além de uma dúvida que é razoável, e não uma convicção para além de uma dúvida meramente possível. É possível que as cinco testemunhas que afirmam não se conhecer, e não conhecer suspeito ou vítima, mintam por diferentes razões que o suspeito matou a vítima, mas isso é improvável”, afirmaram no documento os procuradores.
As defesas têm até 20 de junho para contestar os argumentos do MPF. Esta é a última fase da ação penal. Após todas as partes apresentarem as alegações finais, o processo volta ao juiz Sérgio Moro, que estará com a faca e o queijo nas mãos para tirar de circulação o maior mafioso que já apareceu por aqui desde a chegada de Cabral, estará com a faca e o queijo nas mãos para sepultar de vez a corja da esquerda que tentou aparelhar a nação aos seus propósitos, estará com a faca e o queijo nas mãos para aplacar e vingar – sim, a vingança é a mais deliciosa forma de justiça – a estuprada alma do bom brasileiro, do brasileiro honesto, do brasileiro que trabalha e paga impostos e não do que vagabundeia e vive dos impostos dos outros, não dos parasitas e sanguessugas que vestem camisas vermelhas.
É a hora de o Moro beber água, e de o Lula parar de tomar whisky às nossas custas. É a hora de o barbudo começar a passar a pão (com mortadela) e água. Esse será o maior castigo para o capo do PT, ter que tomar água. Só espero que Moro não nos decepcione, que não deixe Lula sair livre como fez com a esposa de Eduardo Cunha, por “falta de materialidade à acusação”.
Diretas, Já, é o cacete. Isso sim seria um golpe, pois, em eventual queda de Temer, as indiretas são o previsto na Constituição. Diretas, Já é o cacete. Lula na Cadeia, Já – isso, sim. E deixem que cantem Caetanos e Miltons, e deixem que esperneiem Wagners Mouras e outros “artistas” saudosos da grana fácil que recebiam do PT via Lei Rouanet. Lula na Cadeia, Já!

Talvez você goste disso também:

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Solve : *
8 − 3 =


Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>